Mulheres em defesa da terra e do meio ambiente
A ilusão da Abundância: uma entrevista com Erika González Ramírez
01 de agosto de 2023 ás 14:36:15


Erika González, co-dirigiu o documentário A Ilusão da Abundância. O filme apresenta as lutas e a determinação de três mulheres defensoras dos direitos humanos e ambientais do Brasil, Honduras e Peru. O CIDSE entrevistou Erika para descobrir o que a motivou a realizar esta pesquisa na América Latina e fazer este documentário.

Bertita, Máxima e Carolina: as três protagonistas do documentário “A Ilusão da Abundância”.

Por que você escolheu abordar as lutas contra os interesses corporativos através das lentes das mulheres defensoras dos direitos humanos e ambientais?

“Em primeiro lugar, sou da América Latina, que é um continente com muitos contrastes. Somos muito ricos em recursos naturais, mas ao mesmo tempo vivemos em um lugar onde temos fome, corrupção e miséria. Nós nos perguntamos por que não podemos sair dessa situação. Estou fazendo este filme com Matthieu Lietaert (co-diretor) e nós dois fomos desencadeados pelo livro “As veias abertas da América Latina” de Eduardo Galeano. Porque 50 anos após a publicação deste livro, que fala de mais de 500 anos de colonização, nos perguntamos por que, depois de tanto tempo, a situação não mudou. Ainda vivemos no mesmo padrão: continuamos a doar nossos recursos naturais para o chamado “desenvolvimento de outros”.

Quando estava trabalhando em Bruxelas acompanhando as relações entre a União Européia e a América Latina, vi muitos defensores da terra passando por nossos escritórios e falando sobre o impacto dessas relações nas pessoas e no meio ambiente na América Latina. Isso nos inspirou a ter os defensores da terra como protagonistas, porque são eles que estão pagando o preço mais alto. Eles estão colocando suas vidas em risco para defender sua terra, que muitas vezes representa sua casa, o meio ambiente e, em geral, o respeito aos direitos humanos. Matthieu fez algumas pesquisas. Ele foi para vários países. Coletamos depoimentos de mulheres vindas da Bolívia, Equador, Colômbia e, claro, dos países que, no final, decidimos incluir no documentário. Eu sou feminista, então para mim é muito importante dar voz às mulheres, em todos os aspectos da nossa sociedade, o que decidimos fazer também neste documentário. Máxima (Peru), Carolina (Brasil) e Berta (Honduras) serão as protagonistas de “A ilusão da abundância".

O que podemos aprender com a luta dos defensores dos direitos humanos e ambientais na América Latina assistindo ao documentário?

“Embora nosso filme seja ambientado na América Latina, o público vai entender que estamos vivendo um problema global e que uma das causas da crise climática é nosso modelo econômico baseado no extrativismo. No nosso documentário queremos mostrar os casos de Máxima, Carolina e Berta porque respondem aos mesmos padrões. Os “inimigos”, as corporações multinacionais nestes casos, surgem e dividem comunidades; vão aos tribunais com um exército de advogados se necessário e, se a luta for muito grande, estão prontos para matar. Com nosso filme, queremos mostrar tudo isso e que o público entenda que escolhemos Peru, Honduras e Brasil, mas que todos os defensores da terra no mundo passam pela mesma situação. Queremos mostrar que existe uma forma sistêmica de atuação das corporações multinacionais”.

Como cineasta, por que você acha importante contar e refletir sobre essas histórias?

“Uma coisa muito importante e inspiradora é a convicção dessas três mulheres. Eles estão com medo, mas seu medo não é suficiente para mantê-los em silêncio. Eles continuam lutando e estão globalizando sua luta. Queremos mostrar no filme que tudo está conectado. Se o problema é global, as soluções também devem ser globais. Além disso, algo que não é visto claramente no filme, mas que queremos mostrar nos debates, é o apoio de organizações como o CIDSE. Somos financiados por 20 ONGs e organizações em toda a Europa. Eles desempenham um papel fundamental no apoio às organizações locais que apoiam os defensores.”

Com base no que você viu em seu trabalho, o abuso corporativo tem um impacto diferenciado sobre as mulheres na América Latina? E se sim, de que formas?

“Sim, vimos isso filmando e conversando com defensores da terra na América Latina. Historicamente, as mulheres defensoras não possuem terras. As mulheres possuem menos de 20% das terras do mundo, o que é surpreendente, já que elas representam metade da população mundial.

Em segundo lugar, eles têm que lutar uma batalha em duas frentes: a luta pública para proteger sua terra, água e nosso planeta; e a luta muitas vezes invisível para defender o direito de falar em suas comunidades e famílias. Então, essas lutas envolvem tanto a esfera pública quanto a privada. Na América Latina, ainda vivemos em um sistema muito patriarcal. As mulheres têm que ficar em casa para cuidar da casa.

Outro impacto chocante que encontramos, foi a exploração sexual e a prostituição. Existem redes criminosas que atraem mulheres e meninas com falsas promessas de emprego nas mineradoras. Mulheres e meninas ficam presas em acampamentos ou cidades próximas onde são exploradas para “fornecer serviços de entretenimento aos trabalhadores”. É um problema que descobrimos especialmente no Peru e no Brasil, mas está presente em toda a América Latina onde há projetos de mineração e extrativistas.

As mulheres defensoras do meio ambiente e seus discursos são infantilizadas. Por exemplo, no caso de Bertita, ela menciona que muitas vezes foi ridicularizada nas redes sociais e infantilizada por causa de sua aparência física. As pessoas também diziam que ela estava traumatizada porque sua mãe foi morta quando ela era criança. No caso de Carolina, durante as reuniões da empresa multinacional brasileira Vale, ela foi muitas vezes infantilizada e desacreditada também. As pessoas não tratam as mulheres como adultas, só porque somos mulheres.

Bertita durante a cerimônia de sua mãe Berta.

Outra questão que é muito discutida no mundo e que muito se fala na América Latina é o Ecofeminismo. É sobre a relação entre a forma como os homens exploram a Mãe Terra, que eles exploram e destroem, e a forma como os homens exploram os corpos das mulheres. Por exemplo, Carolina foi abusada e ela fala sobre como os corpos das mulheres são como o território onde ela vive. Assim como a terra, eles foram explorados por muitos anos”.

A liderança feminina na luta contra as corporações é alguma vez rejeitada pelos homens de suas comunidades? Quais são as maneiras de evitar ou superar isso?

“Acho que as mulheres têm que lutar duas vezes mais para ter credibilidade. Eles têm que lutar mais do que um homem apenas para serem ouvidos em suas comunidades. Acho que essa é uma pergunta para os protagonistas, mas acredito que a única solução que temos é continuar a luta. Todas as mulheres que retratamos no filme sofrem violência; a violência está em toda parte. Podemos ver que é extremamente perigoso para eles. Eles arriscam a vida, mas a coragem que vimos é muito inspiradora”.

A partir de sua observação e aprendizado durante a realização deste filme, o que é preciso para ser uma mulher defensora dos direitos humanos e do meio ambiente nestes tempos desafiadores? O que mais te inspirou?

“O alto preço a pagar é muito difícil. Queríamos mostrar isso no documentário: o que significa ser uma mulher defensora da terra. No filme, também vimos que é algo que você não decide realmente, mas que você “se torna” porque a situação é tão extrema, tão violenta, tão importante. Um dia, eles terão que enfrentar esses problemas, mas isso é extremamente perigoso. Queríamos mostrar que mesmo que haja medo, ele pode ser superado. O medo é como um motor, é como uma motivação para se mover e lutar. Além disso, a dignidade que essas mulheres têm foi muito inspiradora para nós. Por exemplo, no caso de Máxima, após ganhar seu caso na justiça, ela recebeu uma carta da corporação que queria comprar seu terreno. Ela recusou, apesar de terem lhe oferecido US$ 300,000. Esta é uma quantia enorme que poderia ter sido usada para pagar os estudos de seus netos, mas ela está completamente convencida da necessidade de proteger a terra. Maxima não quer viver de outra forma.

Sinto-me profundamente inspirada pela convicção da necessidade de proteger os recursos naturais, a dignidade e, sobretudo, a coragem que partilham estas três mulheres. Muitas vezes recebem ameaças. Bertita, por exemplo, foi atacada há alguns anos. Carolina vive sob ameaças. Máxima sofreu um acidente, há um ou dois meses, quando se dirigia ao tribunal para uma reunião com advogados. Sua família acha que as únicas pessoas que sabiam que ela estava saindo de sua aldeia para ter uma reunião no tribunal era a corporação. Ela está em perigo, os três estão em perigo.

Apesar de um jogo profundamente desequilibrado, essas três mulheres compartilham um objetivo comum: elas estão liderando a luta de hoje contra os conquistadores corporativos modernos. Enquanto governos e corporações estão presos em uma corrida global para obter as matérias-primas mais baratas, Bertha, Carolina e Maxima nos contam uma história de coragem incansável: como continuar lutando para proteger a natureza quando sua vida está em risco? Quando a repressão policial, o assédio corporativo, os ferimentos ou mesmo as ameaças de morte fazem parte do seu dia a dia?”

Sobre Erika González

Antes de iniciar a co-direção de 'A Ilusão da Abundância', Erika González foi diretora-gerente de uma Rede Europeia de ONGs, Grupo Sur, de 2013 a 2017. Ela liderou as atividades de advocacia dentro das instituições da UE, especialmente no campo da direitos humanos com foco na violência contra a mulher e no feminicídio. O Grupo Sur, juntamente com o CIFCA, tornou-se o Rede UE-LAT. Feminista profundamente comprometida com os direitos das mulheres, Erika é jornalista sênior. Por mais de 15 anos, ela trabalhou como correspondente para diferentes meios de comunicação da UE e da América Latina cobrindo assuntos da UE.


Foto: A Ilusão da Abundância.

Redação por CIDSE.

Leia a notícia na fonte: https://cidse.org/pt/2022/10/05/the-illusion-of-abundance-an-interview-with-erika-gonzalez-ramirez/ 

Outras Notícias

Mais Notícias